16 Ago 2017 a 19 Ago 2017

Os concertos que não vais querer perder na 25ª edição do Vodafone Paredes de Coura

Os concertos que não vais querer perder na 25ª edição do Vodafone Paredes de Coura

São 25 de anos de Couraíso – é assim que os mais fiéis chamam ao Vodafone Paredes de Coura. O festival reserva quatro dias com grandes nomes no cartaz: há bandas que pisam o solo português pela primeira vez, outras vêm matar saudades nossas. A Ângela Afonso partilha contigo as sugestões de concertos que merecem a tag #aNãoPerder.

No ano passado foram cerca de 100 mil as pessoas que estiveram no Festival Vodafone Paredes de Coura. Foram muitos os nomes que serviram de isco para os festivaleiros rumarem à mítica vila, à beira do Taboão plantada – recordam-se? Só os LCD Soundsystem arrastaram consigo 24 mil pessoas. A festa foi bonita – e este ano não será menos bonita, tendo em conta o cartaz. Vamos às sugestões?

 

Future Tempest & Kate Islands

Hoje, 16 de agosto, o festival desce da vila para o seu habitat natural, as margens do Taboão.  Os dois grandes destaques neste primeiro dia são os Future Islands e Kate Tempest. Os norte-americanos atuam por volta da 00:30h e o seu synth-pop super dançavel promete festa. Já Kate Tempest, a artista do spoken-word, poeta e escritora, encerra o primeiro dia com o enérgico hip-hop do seu ultimo álbum Let Them Eat Chaos a começar à 1:55h.

 

Chet Faker Nick Murphy & Horror

A quinta-feira, 17 de agosto, surge com grandes nomes como Car Seat Headrest às 19:40h, no palco Vodafone.  Os Ho99o9 (Horror, que é aquela banda que só visto mesmo porque contado ninguém acredita) atuam às 22:20h, no palco Vodafone.Fm. Voltamos ao palco principal para ouvir At The Drive-In, pelas 23:15h; e Nick Murphy (anteriormente conhecido por Chet Faker), quando passarem 45 minutos da meia-noite. Haverá música para todos os gostos: desde o lo-fi de Car Seat Headrest ao hip-hop bem inclinado para o trash; ao hardcore num género tão único como é o dos Ho99o9; passando pelo post-hardcore de At The Drive In ao mix de soul, trip hop eletrónico de Nick Murphy.

 

Mau mau maria – que é, como quem diz, BadBadNotGood

Na sexta-feira, 18 de agosto, é dia dos canadianos BadBadNotGood, que continuam a fazer as delícias de críticos e fãs dos géneros jazz, instrumental, hip-hop e do improviso. É a sua estreia em Portugal e atuam às 21:20h, no palco Vodafone. Nesse mesmo palco,  às 23:15h, vamos poder ver e ouvir os  Japandroids, que trazem o seu trabalho Near To The Wild Heart Of Life. Mais tarde, os Beach House,  farão as delícias do público, que os conhece bem.

 

Manel & Benjamin

O sábado será o dia da despedida desta edição do Vodafone Paredes de Coura – e há uma mão cheia de artistas a ver. Destacamos o português Manel Cruz, que dispensa apresentação. O vocalista da mítica banda Ornatos Violeta atua às 18:30h, no palco Vodafone. O grande Manel dará lugar ao alto, esguio, humilde e simpático Benjamin Clementine. O londrino passou por Portugal em Junho de 2016 e as saudades já são muitas. Sobe ao palco Vodafone, pelas  21:20h.  Recomendamos que não percam, no mesmo palco, Ty Segall pelas 23h15. A noite termina com o indie rock  dos Foals e do seu novo álbum What Went Down.

 

Quatro dias, quatro palcos, quarenta livros, 25 anos de (boa) música pelo Taboão

Não é apenas o local paradisíaco onde o festival acontece que o torna único. Ao longo destes vinte e cinco anos, o rio Taboão já foi testemunha de grandes concertos. Destacamos os Pixies, The National, QOSA e Arcade Fire. Concertos que ficaram na memória de quem por lá passou. No ano passado, até assistimos a um concerto único, pela mão dos Crocodiles, no quintal da D. Laurinda. Quem esteve por lá?

O Vodafone Paredes de Coura conta com quatro palcos: Vodafone, Vodafone.fm, Jazz na relva e After Hours. Este último, tal como o nome indica, promete festa pela madrugada dentro. Permitam-nos o destaque para a diversão garantida com Throes + The Shine (no último dia do festival, pelas 2h da manhã).

Há uma iniciativa que merece o nosso destaque: a Biblioteca Digital Vodafone. Durante o festival, será possível descarregar 40 obras, de forma gratuita, através de QRCode. António Lobo Antunes, Lídia Jorge, José Luandino Vieira, Manuel Alegre ou Maria Teresa Horta – são alguns dos autores que podemos encontrar espalhados (salvo seja) por vários pontos do recinto e, também, pela vila.

O primeiro concerto é já daqui a umas horas, fiquem atentos. Ah! E podem sempre consultar, aqui, os horários. 😉 😉

 

Edição de Joana Rita 

Ângela Afonso  

1,60m de aleatoriedade, inspirada por coisas e pessoas boas. Vive para as artes e as letras. A sua religião é a música e mora atrás da lente da câmara fotográfica. Minhota da cabeça aos pés e em tudo o que diz. (O mau feitio é mito)

Joana Rita  

Joana Rita é filósofa, criadora de conteúdos, formadora e investigadora. Ah! E uma besta muito sensível.


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: At The Drive-In, BadBadNotGood, Beach House, Benjamin Clementine, Car Seat Headrest, Foals, Future Islands, Ho99o9, Japandroids, Kate Tempest, Manel Cruz, Nick Murphy (Chet Faker), Throes + The Shine, Ty Segall


  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *