6 Jun 2019 a 8 Jun 2019

O rock e o reggaeton do segundo dia de NOS Primavera Sound

O rock e o reggaeton do segundo dia de NOS Primavera Sound

Ao segundo dia de NOS Primavera Sound o sol saiu da toca e aqueceu o dia mais eclético do festival até agora. O reggaeton de J Balvin foi o mais procurado, mas as guitarras de Courtney Barnett e Interpol também se impuseram.

Depois da chuva ter tido presença forte no primeiro dia, ontem foi o sol a grande estrela da tarde no Parque da Cidade. Com toalhas estendidas e mini piqueniques por todo o lado, estava completo o cenário perfeito para o arranque do segundo dia de NOS Primavera Sound. Arranque esse que foi feito da melhor forma com Surma no palco SEAT. Confessou estar nervosa por estar a tocar num dos seus festivais favoritos, mas com a ajuda de João Hasselberg e dois incríveis dançarinos, Surma entregou um concerto intenso e claramente especial. Também especial é a voz da neo-zelandesa Aldous Harding, que abriu as hostes no palco NOS logo de seguida. De melodias melancólicas que nos embalam sem esforço, a música de Harding combinou na perfeição com o ambiente solarengo que se vivia na relva do festival.

Ainda a tempo de ver o pôr-do-sol, Courtney Barnett chegou sem rodeios. A australiana debitou o seu rock ora mais slacker ora mais stoner, sem perder o tom muitas vezes irónico das suas letras e a mostrar-se muito confortável com o seu crescente estatuto de ascendente estrela de rock. Subiu aos monitores e levantou a guitarra várias vezes, e damos por nós a pensar no quão importantes são estes momentos: mulheres do rock a dar show num palco principal de um grande festival ainda são uma raridade. Com uma maioria de temas do último Tell Me How You Really Feel (e a nova Everybody Here Hates You), foram as velhinhas Elevator Operator, Nobody Really Cares If You Don’t Go To The Party e Pedestrian At Best que mais levantaram as vozes da plateia. Plateia essa que já estava, em grande parte, a preparar-se para o concerto que se seguia. Eram muitas as pulseiras diárias visíveis nas filas da frente, camisolas da selecção da Colombia, brilhantes na cara e muita juventude. Se dúvidas houvesse, assim que o concerto começou e atraiu a maior enchente do festival até agora ficou comprovado: J Balvin era a grande estrela da noite. Sim, o homem do reggaeton provocou festa e dança sem parar, com dançarinos, bonecos insufláveis e muitos visuais acriançados nos ecrãs (tirando-lhe o contexto, podia perfeitamente ser o Zig Zag). Con Altura, tema que partilha com Rosalía, apareceu logo no início do concerto, bem como Reggaeton e X. Mas foi no final, com I Like It, o seu êxito com Cardi B (sim, houve uma Cardi cabeçuda em palco) e Mi Gente que o público atingiu a euforia colectiva. Quem diria que seria o reggaeton a juntar as massas no NOS Primavera Sound?

Mas calma, também houve mais guitarradas. Depois de Fucked Up terem deixado estragos (com a ajuda da Escola do Rock de Paredes de Coura) no palco SEAT, era a vez dos norte-americanos Interpol tomarem conta de uma plateia que encheu o espaço para os receber. Em modo nostálgico, com um alinhamento mais dedicado aos trabalhos anteriores (fez no ano passado 10 anos desde o lançamento de Turn On The Bright Lights), a banda de Paul Banks continua extremamente coesa em palco. Sem grandes manifestações fora um ou outro “thank you”, os Interpol deixaram as canções falarem por si. Nomeadamente temas como Evil, Take You In a Cruise e Slow Hands, muito festejados pelos presentes.

A noite terminou com dois extremos. No palco NOS, James Blake e a sua voz de anjo e electrónica umas vezes subtil outras desconcertante encantavam uma vasta plateia, enquanto que no palco Pull&Bear Jpegmafia fazia estragos com o um hip hop de entrega brutal e intensa.

O último dia de NOS Primavera Sound conta com nomes como Big Thief, Rosalía, Kate Tempes e Erykah Badu.

Teresa Colaço  

Tem pouco mais de metro e meio e especial queda para a nova música portuguesa. Não gostava de cogumelos mas agora até os tolera. Continua sem gostar de feijão verde.


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: Aldous Harding, Courtney Barnett, Fucked Up, Interpol, J Balvin, James Blake, JPEGMAFIA, Surma


  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *