Vampire Weekend – um reencontro com muito(s) ritmo(s) e calor

Vampire Weekend – um reencontro com muito(s) ritmo(s) e calor

Lisboa, 26 de novembro. Quatro meses após a passagem pelo NOS Alive, os nova-iorquinos Vampire Weekend encheram o Coliseu dos Recreios para um grande concerto em nome próprio.

O encerramento da digressão europeia de Father of the Bride poderia resumir-se em poucas palavras: seis músicos em palco, cerca de quatro mil fãs e vinte e oito canções que transformaram uma noite fria e chuvosa de outono num serão quente… muito quente e suado.

Aquele que terá sido, até à data, o melhor espectáculo de Vampire Weekend em Portugal, merece, contudo, que detenhamos um pouco mais da nossa atenção. Até porque a energia e emoções da última terça feira de novembro perdurarão na memória dos presentes.

Ao trio / núcleo duro formado por Ezra Koenig (voz e guitarra), Chris Baio (baixo) e Chris Tomson (na bateria) juntaram-se Garrett Ray (segunda bateria) e Will Canzoneri e Greta Morgan (nas teclas e guitarra). O ritmo rápido e bem disposto de Flower Moon, Holiday e Bambina deu mote ao início do serão.

As palmas fizeram-se sentir aos primeiros acordes. Foram sugeridas por Baio, mas o pedido era desnecessário já que aquele era claramente o público da banda. O ambiente era o de um reencontro de amigos e até o lapso de Koenig, dizendo que esta era a primeira apresentação de Vampire Weekend em nome próprio em Portugal, foi desculpada ou até, quem sabe, bem-vinda, uma vez que longas ausências costumam motivar doses extra de mimos, no caso convertidos em música.

No centro do palco, apenas vislumbrado por quem teve o desaire de ficar sentado num lugar contíguo a este, um imponente globo terrestre fazia prever uma volta ao universo da obra dos americanos. O vocalista recordou, mais tarde, os concertos que decorreram desde a última passagem da banda pelo Coliseu. O que significava que havia muito repertório por tocar na sala lisboeta.

Para a história ficaram mais de duas horas de concerto em que desfilaram onze dos dezasseis temas do mais recente trabalho, mais meia dúzia de canções de Modern Vampires of the City e outros tantos do álbum homónimo da banda. O belo ramalhete seria rematado com Cousins, Giving Up the Gun e Holiday (de Contra), ainda Boston (Ladies of Cambridge) – do álbum Mansard Roof – e ainda Jonathan Low, que fez parte da banda sonora do filme Eclipse.

A relação do público português com os rapazes da Oxford Comma é suficientemente forte e próxima para que não fossem necessárias grandes apresentações de temas nem tão pouco piropos. A conversa fez-se com pouco mais que uns “Olá, Lisboa” e a declaração de que o público lisboeta é fantástico. Os vinte e um temas que compuseram o alinhamento inicial foram acompanhados com o entusiasmo próprio de um público já tinha saudades dos ritmos diversificados da banda. Em cento e trinta minutos de entusiasmo difícil é destacar momentos altos mas referimos o dueto do vocalista titular com Greta Morgan, cuja voz melodiosa foi acolhida com muito agrado.

As muitas palmas, dança e sobretudo muita cantoria do lado do público, fizeram subir a temperatura e quando os seis senhores da noite voltaram ao palco para o encore, havia ainda muita vontade de que a reunião se prolongasse.

Todos os ingredientes estavam preparados para que a despedida da Europa demorasse ainda um pouco. O público português teve então direito a “discos pedidos”. Os músicos não se fizeram rogados. As sugestões deram lugar à interpretação de Boston (Ladies of Cambridge) My Mistake e The Kids Don’t Stand a Chance. My Mistake, a pedido de um espectador italiano, terá sido o momento mais surpreendente da noite. É que o jovem Giacomo, vindo da zona de Nápoles atreveu-se, além de pedir o tema, a dizer que gostava de tocar com a banda. E conseguiu. Um dos pianos foi-lhe cedido e o rapaz safou-se. E bem!

No regresso ao alinhamento pré-definido o fim de festa fez-se com mais três temas. Por entre a plateia saltitaram alguns globos terrestres (entretanto libertados) e Walcott, entoado a plenos pulmões pelo público encerrou a noite com chave de ouro.

Fonte: Press Release

Carla Flores  

A repórter de guerra sonhada aos 10 anos deu lugar à professora de inglês que se dedicou a outras lutas, como a da promoção da leitura e a aquela coisa do "ah e tal, vamos lá mudar o mundo antes que ele nos mude!


Ainda não és nosso fã no Facebook?

  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *