Gregory Porter: Um Senhor a fechar o EDP Cool Jazz 2014

Gregory Porter: Um Senhor a fechar o EDP Cool Jazz 2014

A noite não podia estar mais agradável para encerrar um festival de Jazz. E o nome esperado para o fazer, Gregory Porter, foi sem dúvida uma grande escolha.

Os jardins do Marquês do Pombal em Oeiras não estavam cheios (não chegariam a estar) mas a plateia sentada começava a compor-se. Os Vahagn & The Sky People abrem o concerto com a sua música electrónica “feita com instrumentos verdadeiros”. Entre um lounge ambiente e um psico-funk, havia na plateia quem lhe chamasse música de elevador mas a banda esforçou-se para manter o nível. Infelizmente, neste tipo de música, ao fim de algum tempo, ou se sabe realmente inovar ou é mais do mesmo.

Gregory Porter, a boa disposição em pessoa

Na hora prevista, o imponente Gregory Porter passa junto ao público em direcção ao palco. E começa verdadeiramente a noite do Jazz.

Depois da passagem por Portugal no ano passado (quando actuou e encantou no CCB e na Casa da Música), a presença desta estrela do Jazz norte-americano era muito aguardada por todos quantos apreciam a sua voz de barítono e o seu estilo clássico com toques de Soul, R&B, e Gospel. E não decepcionou.

Liquid Spirit o seu ultimo álbum foi o que mais marcou presença e tal já se esperava. O tema deu o mote para que o público se animasse (ainda mais): “Clap your hands now!”. Free, um jazz funkalicious, foi outro dos pontos altos da noite. Todo o publico se agitava e convenhamos, era difícil não o fazer.

Outro dos temas que causou furor foi 1960 What?, a música inspirada pelas histórias contadas por Kamau Kenyatta, um professor seu amigo, sobre a vida na Detroit da década de 60 e pelo assassinato de Martin Luther King em 1963 assim como pela sua própria vida. Uma coordenação perfeita num misturar de instrumentos e voz quase desconcertante.

Mesmo quando o presenteava com canções mais calmas e intimistas, como I Fall In Love To Easily (sobre a qual pairava a sombra de um Nat King Cole a abençoar Porter), o público cantava encantado.

Chip Crawford ao piano, Yosuke Sato no saxofone, Emanuel Harrold na bateria e Aaron James no contra-baixo, acompanharam de forma sublime a presença daquele que alguns chamam já de “o rei do jazz”.

A noite chegava ao fim e Gregory Porter parecia, no mínimo, tão satisfeito quanto o publico. Sai de palco mas o concerto não poderia ficar por ali. “Pelo menos mais uma” dizia alguém na fila da frente. O artista volta e com a sua banda interpreta Hey Laura, uma apaixonada balada, num registo sedutor, pela voz do namorado ciumento que não confia em quem o ama.

Gregory Porter Ver todas as fotos de Gregory Porter no EDP Cool Jazz

Gregory Porter guardava uma surpresa

“Peace and love, peace and love”, diz Porter enquanto acena um adeus. Acabou a música mas, para todos quantos assim quisessem, havia ainda uma pequena surpresa: Sessão de autógrafos de Gregory Porter a quem tivesse Liquid Spirit consigo. E com isto, este que vos escreve recebeu um valente aperto de mão e um “Thanks brother” a dar força para o caminho de volta a casa.

Pedro Rebelo  

Apaixonado pela internet desde 1994, blogga por vocação desde 2001, depois do devanio da juventude no direito licenciou-se em ciências da comunicação com especialização em comunicação, cultura e artes.


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: Gregory Porter, Vahagn & The Sky People

  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.