Bailámos, e bailámos muito – Globaile 2016: O fim (?) dos Buraka Som Sistema

Bailámos, e bailámos muito – Globaile 2016: O fim (?) dos Buraka Som Sistema

Voz rouca, fibras musculares a lamentarem-se de tanta dança, sorriso na cara e de coração cheio, é assim que saímos do Globaile.

Passou a noite de Santo António, casaram os noivos, terminaram os arraiais, a sardinha no pão, a boa da bifana e a imperial sempre na mão. Pedia-se um grande final para as festas de Lisboa e senhores, ó se foi bom.

1 de Julho de 2016 foi muito mais do que o fim das festividades da capital, foi a data marcada para a despedida dos Buraka Som Sistema e para o início de algo que se avizinha como enorme, o Globaile.

O cenário ribeirinho junto ao Tejo, de onde tantos portugueses já partiram prontos a desbravar o mundo, não poderia ser mais adequado para festejar o percurso de uma banda que cruzou ritmos, culturas e personalidades de uma forma tão sublime e que, literalmente, levou a música diretamente da Amadora para o mundo, os Buraka Som Sistema.

dengue_globaile-10

O Globaile, festival que se pretende repetir numa base anual e que parte das mentes de Branko, Riot, Conductor, Kalaf e Blaya, arrancou às 17h no palco IC19 com o DJ set de Kking Kong. Ainda com alguma timidez, o público aproveitava os raios de sol, faziam-se piqueniques, bebia-se mais uma cerveja, punham-se conversas em dia e alguns tentavam perceber o que raio estava a acontecer por ali.

Com a chegada do trio sul-africano Batuk foram os poucos que conseguiram resistir ao ímpeto de levantar o rabo da relva sem ver de onde emanava tanta energia. Quando chegaram a “Call Me Naughty” já tinham o público mais que entregue. Contagiantes, coloridos, vibrantes, deixaram-nos a querer mais.

Para fechar o palco IC19 tivemos DotoradO’PrO, autor de “African Scream (Marimbas)”, cara conhecida que se tem juntado a eventos da Enchufada por diversas ocasiões. Ao seu DJ set juntou-se Kalaf dos Buraka, quase como um mémoire das Hard Ass Sessions. Estava mais que lançado o ritmo para a noite.

Os peruanos Dengue Dengue Dengue, dupla de Felipe Salmón e Rafael Pereira, abriram as hostes do palco Komba com a sua autoproclamada tempestade tropical de eletrónica psicadélica. Precisamente como uma febre, o seu ritmo foi-se espalhando pelo jardim da Torre de Belém, por sinal já bastante mais composto. Podemos dizer que também queremos que voltem? E depressa?

dengue_globaile-5Vê aqui todas as fotos de Dengue Dengue Dengue no Globaile

MC Bin Landen, aguardado por muitos, trouxe o seu funk brasileiro, fez o sinalzinho do Ronaldo e usou e abusou do seu hit “Tá Tranquito Tá Favorável”. É seguro dizer que por esta altura já só se queria que chegassem os Buraka.

mcbinladen_globaile-11Vê aqui todas as fotos de MC Bin Laden no Globaile

Pouco depois das 22h vieram então os senhores da noite, tempo de fechar uma digressão mundial que esgotou salas de espetáculo em Bogotá, Berlim, Londres, Paris e Bruxelas.

Durante 2 horas de concerto viajámos 10 anos no tempo e fomos de Luanda a Lisboa sempre com uns “pózinhos” extra dos quatro cantos do mundo. Relembrámos clássicos como “Yah”, “Wawaba”, “Sound of Kuduro”, “Aqui para Voces”, “Voodoo Love”, “Tiroza”, “Kalemba (Wegue Wegue)”, “Tira o pé”, “Hangover (BaBaBa)”, ou as mais recentes “Vuvuzela (Carnaval)” e “Stoopid”. Relembrar todas estas músicas é relembrar também os artistas que têm vindo a colaborar com a banda nomeadamente M.I.A., Alo Wala, Sara Tavares, Deize Tigrona, Puto Prata, Saborosa, Petty, Karol Conka, Roses Gabor entre muitos, mas mesmo muitos, outros. Em reconhecimento disso mesmo os Buraka convidaram a cantora angolana Pongo Love para cantar “Kalemba (Wegue Wegue)” e o congolês Kaysha para dar o seu toque em “Komba”.

buraka_globaile-25Vê aqui todas as fotos de Buraka Som Sistema no Globaile

Naquele que foi (pelo menos por agora) o último concerto da banda, saímos com um sentimento de entrega total mútua. Despedida nunca vai ser uma palavra fácil e consolamo-nos com a ideia de que os Buraka Som Sistema, de uma forma ou de outra, vão sempre deixar a sua marca e a primeira edição do Globaile é uma prova disso mesmo. No final desta década de percurso temos um panorama musical completamente modificado onde impera uma diversidade cultural notável e os Buraka foram sem dúvida responsáveis por grande parte desta mudança.

Da avó da Mouraria, aos suecos que acabaram de descobrir o kuduro, ao taxista que passou só para espreitar, ao casal que chegou há 7 anos de Moçambique, aos que apanharam o comboio da Amadora, todos se juntaram nesta festa e como foi bonito assistir a esta mistura.

Muito mais do que uma despedida foi uma sublime celebração de dez anos de música, de dança, de interculturalidade, de criatividade e de inovação. Foi uma verdadeira festa global e uma espreitadela ao futuro que tem tudo para ser promissor.

buraka_globaile-91Vê aqui todas as fotos de Buraka Som Sistema no Globaile

Obrigado Buraka. Foram, são e serão sempre os donos do terreno.

Mónica Borges  

Acho todos os cães bonitos, gosto de festivais e ainda mais de imperiais.


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: Batuk, Buraka Som Sistema, Dengue Dengue Dengue, Dotorado Pro, Kking Kong, MC Bin Laden

  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *