7 Jul 2016 a 9 Jul 2016

Onde a relva é mais verde – O primeiro dia do festival NOS Alive 2016

Onde a relva é mais verde - O primeiro dia do festival NOS Alive 2016

São dez anos de Alive e de romaria em direcção ao Passeio Marítimo de Algés para celebrar o verão, os amigos e a boa música. Para comemorar esta data, a organização do festival preparou sete palcos para acolher os festivaleiros, de 7 a 9 de julho.

As portas abriram às 15h e consta que às 9h da manhã já eram muitas as pessoas que aguardavam pelo momento em que lhes seria dado acesso ao novo relvado sintético – e a um dia cheio de sol, para viver ali mesmo à beira Tejo.

Pelas 17h subiram ao palco os Baywaves, num concerto de última hora e que abriu as hostes no palco NOS Clubbing. À mesma hora, Luis A. Segura – aka L.A. – apresentava-se no palco Heineken, trazendo na bagagem o último álbum From The City To The Ocean Side.

20160707171028-01_la-0048 Vê aqui todas as fotos dos L.A. no NOS Alive

Os portugueses The Happy Mess subiram ao palco Heineken, pelas 18h. A banda constituída por Miguel Ribeiro, Joana Duarte, João Pascoal, Rui Manuel Costa e acompanhada por Zé Miguel Vieira e Hugo Azevedo presentearam o público presente com um concerto animado e cheio de energia.

Happy Mess-0291 Vê aqui todas as fotos dos The Happy Mess no NOS Alive

Enquanto isso, no palco NOS, The 1975 davam música a uma multidão que começava a compor a plateia. Nesta encontravam-se muitos chapéus brancos, como é apanágio deste festival onde o merchandising já faz parte da mobília e é uma peça imprescindível no outfit de muitos dos festivaleiros. De Manchester para Algés, os britânicos Matthew Healey, Adam Hann, Ross MacDonald e George Daniel trouxeram consigo o novo álbum I Like It When You Sleep For You Are So Beautiful Yet So Unaware Of It, com lançamento agendado para 2017.

20160707180401-02_the_1975-0027 Vê aqui todas as fotos dos The 1975 no NOS Alive

From Los Angeles, Califórnia, senhoras e senhores: Vintage Trouble. A banda é constituída por Nalle Colt (guitarra), Rick Barrio Dill (baixo), Richard Danielson (bateria) e Ty Taylor (voz). Ty é homem para fazer a festa, lançar os foguetes e apanhar as canas. A sua presença em palco é qualquer coisa de enigmático e inesquecível. Viram o salto? Não há problema, pois conseguimos registá-lo.

20160707192505-03_vintage_trouble-0120 Vê aqui todas as fotos dos Vintage Trouble no NOS Alive

Biffy Clyro regressam a Portugal, depois de duas passagens pelo Alive (em 2010 e em 2013). Com tantos momentos Alive no curriculum arriscamos dizer que a banda escocesa já se sente em casa. O seu concerto no palco NOS acontece nas véspera do lançamento do novo álbum Ellipsis. Eram muitas as pessoas que envergavam t-shirts da banda, denunciando uma legião de fãs por terras lusas.

Biffy Clyro-0350 Vê aqui todas as fotos de Biffy Clyro no NOS Alive

Robert Plant dispensa apresentações – chega ao NOS Alive acompanhado pelos The Sensational Space Shifters. The one and only vocalista dos Led Zepellin, destacado pela revista norte-americana Rolling Stone como um dos melhores vocalistas da história. Ao ver Robert Plant em palco é fácil pensar: “quando tiver 67 anos quero ser assim”. É certo que o tempo deixa as suas marcas, mas a voz, a postura e a interpretação do cantor são de se lhe tirar o chapéu.

Foi naquela hora do lusco-fusco, em que o sol começa a despedir-se do Tejo que o norte-americano John Grant subiu ao palco Heineken. Grey Tickles, Black Pressure é o nome do terceiro álbum que se inclui numa carreira onde constam participações com outros músicos. O ex-vocalista dos Czars cumpriu com as expectativas do público presente. O palco Heineken cumpre o seu papel como palco secundário onde é possível encontrar um alinhamento alternativo. Por vezes, as bandas escolhidas para este palco acabam por surpreender – e por voltar, para este ou para o principal.

20160707204857-04_john_grant-0017 Vê aqui todas as fotos de John Grant no NOS Alive

Não sabemos se será esse o caso de Wolf Alice. Os londrinos marcaram a sua estreia em Portugal com um concerto no palco Heineken. Trata-se de uma banda assumidamente indie rock, cujo primeiro álbum My love is cool, editado em Junho passado, era há muito aguardado. O quarteto é composto por Ellie Rowsell (voz, guitarra), Joff Oddie (guitarra, voz), Theo Ellis (baixo) e Joel Amey (bateria,voz).

20160707222001-06_wolf_alice-0035 Vê aqui todas as fotos dos Wolf Alice no NOS Alive

É certo que o nome de Branko estará sempre associado aos (já saudosos!) Buraka Som Sistema. João Barbosa é DJ e produtor – uma rápida visita ao youtube permite-nos conhecer uma série de trabalhos em parceria com outros artistas. Depois da sua passagem pelo Globaile, em Lisboa, Branko surpreendeu-nos com um espectáculo audio e visual onde a simplicidade marcou pontos a seu favor. Foi um momento dançante para todos aqueles que encheram a tenda do Clubbing. O palco montado para Branko e a forma como os ecrãs foram montados à sua volta, fizeram-nos viajar pela cidade onde os ritmos se misturam. Conseguimos discernir Lisboa – mas havia por ali cheiro intenso a África. Foi também assim que Branko se sentiu acompanhado pelos cantores que fazem parte de alguns dos temas de Atlas, uma vez que também foram partilhadas imagens de estúdio.

20160707211126-05_branko-0042 Vê aqui todas as fotos de Branko no NOS Alive

“Here comes your man” – que é como quem diz, here comes the Pixies. A banda terá sido a razão para que muitos dos festivaleiros se deslocassem ao Alive, numa quinta-feira de Julho. Fazem parte da história da música: são 30 anos de carreira para comemorar e cinco álbuns de originais na ponta da língua de muitos dos fãs que quiseram marcar presença nesta noite. Ainda que seja um dado meramente empírico, era várias as t-shirts da banda que se passeavam nos corpos dos festivaleiros. Muitos destes não ficaram propriamente impressionados com a banda: a prestação em palco foi morna e não chegou para marcar a noite – sobretudo depois da energia e dedicação de Robert Plant. Durante a actuação de Pixies havia um mar de gente – sentada. Afinal,  o novo relvado sintético convida a isso mesmo. Estariam a guardar a energia para o último grande concerto da noite?

Pixies-0598 Vê aqui todas as fotos dos Pixies no NOS Alive

Sim, falamos do outro dos nomes mais aguardados da noite: The Chemical Brothers. São muitos os prémios que já fazem parte da carreira deste duo que acabou por revolucionar a forma como se experiencia a música electrónica, nos concertos ao vivo. Born in the Echoes é o nome do oitavo álbum de originais que se estreou no nº 1 da tabela britânica. Hey Boy, Hey Girl foi o tema que abriu o concerto do duo que transformou o espaço do festival numa discoteca XXL. O recinto não estava a abarrotar: das 55 mil pessoas que deram entrada no festival, foram muitas as que saíram após a actuação dos Pixies.

20160708010551-08_chemical_brothers-0028 Vê aqui todas as fotos dos The Chemical Brothers no NOS Alive

E porque a noite ainda era uma criança, o palco NOS recebeu ainda a presença de Sean Riley & The Slow Riders, 2 manydjs e Throw + The Shine.

SeanRiley-0629 Vê aqui todas as fotos dos Sean Riley & The Slow Riders no NOS Alive

Há que falar de outra das novidades da 10ª edição do NOS Alive é o palco EDP Fado Cafe. Neste primeiro dia de festival o cartaz contou com nomes como Marco Rodrigues, Raquel Tavares e Dead Combo e as Cordas da Má Fama. O espaço era pouco para todos aqueles que pretendiam ouvir um pouco de fado.

Ainda um dado a reter sobre esta 10ª edição: não sobrou nem um bilhete deste primeiro dia para contar a história. Foi a primeira vez que o NOS Alive esgotou nos três dias.

Fica uma informação útil para quem vai até ao Passeio Marítimo de Algés para o segundo e/ou terceiro dias de festival: o túnel que dá acesso à estação de comboios é encerrado após os concertos do palco NOS. Assim, há lugar a caminhada via IC 17 CRIL – tal como aconteceu no ano passado. Uma verdadeira romaria, senhores – desta vez para rumar até casa e dormir o sono dos justos.

The dream is real – é sim. Ainda agora começou. Preparados para mais dois dias de festival?

20160707221331-06_wolf_alice-0002

Joana Rita  

Joana Rita é filósofa, criadora de conteúdos, formadora e investigadora. Ah! E uma besta muito sensível.


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: Baywaves, Biffy Clyro, Branko, Dead Combo, John Grant, Marco Rodrigues, Pixies, Raquel Tavares, Robert Plant and The Sensational Space Shifters, Sean Riley & The Slowriders, The 1975, The Chemical Brothers, The Happy Mess, Vintage Trouble, Wolf Alice


  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *