Novo disco dos Orelha Negra, com título homónimo, é editado a 15 de setembro

Novo disco dos Orelha Negra, com título homónimo, é editado a 15 de setembro

Há artistas que, por muito que tenham alcançado, não conseguem deixar de tentar chegar mais longe. Sempre.Samuel Mira a.k.a. Sam the Kid, Dj Cruzfader, Francisco Rebelo, João Gomes e Fred Pinto Ferreira, músicos que já haviam deixado a sua marca na mais ambiciosa música portuguesa quando resolveram formar os Orelha Negra, são um dos mais incontestáveis exemplos.

Se no seu álbum de estreia nos ofereceram uma visão completamente nova e singular da mais moderna música urbana pós-Hip Hop, assente numa inesperada dialética entre o sampling via MPC, o gira-disquismo e a orgânica live dos seus intérpretes de exepção, e na exploração da canção que se liberta da sua escrita tradicional (mas que se quer manter canção), produzindo uma das mais históricas obras da nova cena nacional, com largo alcance além-fronteiras, isso não os conformou.

Transportaram a experiência para os palcos com um impacto notável. Deixaram que esse exercício passasse a ter o peso certo no seu processo criativo, levando-os por caminhos que nem eles teriam antevisto. E atreveram-se a estrear em palco a espinha dorsal do seu segundo – ultra amadurecido – longa-duração, antes mesmo de o finalizarem e embalarem para a posteridade, tendo repetido a dose com o trabalho que chega às lojas e plataformas digitais no próximo dia 15 de setembro e que já se encontra em pré-venda.

Nos treze temas que compõem o seu terceiro disco de originais, os Orelha Negra não se afastam um milímetro da sua proposta inicial de redefinirem a música de raiz Hip Hop, tal com deve ser entendida num novo milénio, mas a canção liberta-se, como nunca, das suas amarras.

Sobressai aqui um espírito excursionista, que vai muito para além das questões formais.

Uma espécie de viagem espiritual, carregada de psicadelismo e de libertação cósmica, apresentada, mais uma vez, de forma completamente surpreendente, até porque tanto somos remetidos para a genealogia da Soul – com um enfâse particular no Boogie – como nos vemos a navegar pelo melhor prog-kraut-rock ou pelas memórias contemplativas de narrativas pop baleares.

Quando pensamos que somos capazes de “adivinhar” o que vinha aí, ficamos, outra vez, agarrados às nossas aparelhagens, em repeat, a pensar – “estava à espera de tudo menos disto!”

Não será essa sensação o melhor que a música tem, para quem realmente a ama?

Tracklist:

  1. NASCENTE
  2. APOLO 70
  3. A SOMBRA
  4. DUAS CARAS
  5. OST
  6. CLAIRE
  7. SOUL2
  8. SKYLAB
  9. FENIX
  10. SANTA ELA
  11. READY
  12. ÚLTIMA VOLTA
  13. PARTE DE MIM

Ficha Técnica:

  • DJ Cruzfader
  • Francisco Rebelo
  • Fred Pinto Ferreira
  • João Gomes
  • Samuel Mira a.k.a. Sam The Kid

Música: Orelha Negra

Produzido: por Orelha Negra

Gravado em 2016 e 2017 nos estúdios Meifumado, Ia, Nascer do Som e Namouche.

Misturado por Artur David exceto o tema “Parte de Mim” misturado por Zé Nando Pimenta.

Masterização: Chris Athens

 

Fonte: Press Release
Foto: Rui Vieira


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: Orelha Negra

  • Partilhar:

Também te pode interessar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *