Nouvelle Vague – a banda que deixa Portugal sempre feliz

Nouvelle Vague - a banda que deixa Portugal sempre feliz

Regressados a Lisboa, os franceses Nouvelle Vague encontraram a 26 de outubro uma Aula Magna quase cheia e visivelmente ansiosa pelo reencontro.

Este foi o primeiro de três concertos em Portugal para apresentação do álbum I Could Be Happy, lançado em 2016. Ao espectáculo na capital seguiram-se Coimbra, a 27, no Convento São Francisco e Porto, a 29 de outubro, na Casa da Música.

Com a apresentação de uma boa parte das canções do mais recente longa duração, a banda trouxe também temas dos trabalhos anteriores, sobretudo do álbum homónimo e de Bande à Part.

Na verdade, só uma banda muito à parte conseguiria manter um público fiel que reage a temas gravados há mais de dez anos, como Ever Fallen in Love, com o mesmo entusiasmo que recebe os novos temas.

Mantém-se ela própria fiel ao estilo que a celebrizou: uma receita aparentemente simples criada por Marc Collin e Olivier Libaux que no início do milénio pegaram em temas célebres da New Wave dos anos 80 dando-lhes a roupagem inconfundível da bossa nova. Não deixaram, contudo, de se renovar, como provam os temas originais de I Could Be Happy, gravados na língua do Amour.

O concerto assentou em pontos de grande equilíbrio. Por um lado, entre novos temas e sucessos mais antigos e, por outro, entre as vozes das cantoras – uma num timbre quase confessional e outra num tom alto, com incidência preponderantemente aguda.

O agrado do público foi visível e, sobretudo, audível, desde a entrada em palco até à última nota, pelo que os 80 minutos programados acabaram por ser mesmo mais, com a banda a voltar por duas vezes ao palco.

A atuação teve início com o tema que dá título ao novo álbum seguido de Blue Monday, o original de New Order e uma das covers de grande sucesso da banda, e prosseguiu na já referida dicotomia entre temas do álbum de 2016 e sucessos mais antigos com os inevitáveis In a Manner of Speaking e Love Will Tear Us Apart a constituírem um dos encores da noite e momento de pura festa que pôs toda Aula Magna de pé.

A presença dos Nouvelle Vague nos palcos portugueses iniciou-se há já mais de uma década e foi marcada pela gravação de um DVD nesta mesma sala em 2007. Esta sua tournée segue-se à participação na edição de 2016 do EDP Cool Jazz e mostra uma ligação que descreveríamos como inquebrável entre a banda e o público português.

 

Edição: Daniela Azevedo


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: Nouvelle Vague

  • Partilhar:

Carla Flores  

A repórter de guerra sonhada aos 10 anos deu lugar à professora de inglês que se dedicou a outras lutas, como a da promoção da leitura e a aquela coisa do “ah e tal, vamos lá mudar o mundo antes que ele nos mude!

Também te pode interessar…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *