Para arquivar em “barrigada de MUSEca” – Reportagem no MEO Arena

Para arquivar em "barrigada de MUSEca" - Reportagem no MEO Arena

Eram 18h30 quando as portas do MEO Arena se abriram para acolher os fãs de Muse. E se eram muitos! Estamos em crer que não víamos uma enchente tão grande de pessoas acumuladas em fila, desde o concerto do Tony Carreira – que tivemos o privilégio de acompanhar. Mas regressemos ao dia 2 de Maio, segunda-feira.

Matthew Bellamy, Christopher Wolstenholme e Dominic Howard não são estreantes em palcos portugueses. Esta história de amor – entre os Muse e o público deste país à beira mar plantado – começou há cerca de dezasseis anos, na Ilha do Ermal. Desde então, têm sido os vários momentos de encontro e de namoro, durante os quais o público se rende à competência, dedicação e espectacular performance da prestação da banda britânica.

Muse_MEO_ARENA_2_Maio_1

Drones World Tour traz consigo um palco 360º e todo um jogo de drones, que acompanham o alinhamento musical de forma irrepreensível. Tudo está pensado ao pormenor e o público só pode mesmo deixar-se envolver pelo espectáculo. Torna-se uma experiência imersiva, durante a qual só podemos mesmo esquecer o mundo lá fora.

A primeira parte do concerto de ontem esteve a cargo da banda originária de Nijmegen e de seu nome De Staat. Uma das suas músicas prometia We’re gonna have some fun tonight. And we did. Entre a primeira parte e os primeiros acordes da banda britânica, tivemos ainda a oportunidade de saber o resultado do jogo de futebol, entre o Benfica e o Braga, através do simpático Manel que passou o concerto a carregar o barril de cerveja às costas. Um verdadeiro Super Man – tal como se podia ler na sua t-shirt.

Pelas 21h20, os Muse subiam ao palco para justificar, de forma irrepreensível, o “SOLD OUT” que se podia ler no site oficial da banda. Psycho foi a música de abertura que, em poucos segundos, levou o público ao delírio. Foram alguns os momentos em que Matt deu a voz aos fãs presentes no concerto – aconteceu logo, com Plug in baby. Enquanto o palco rodava, havia umas bolas gigantes (drones) a dar luz e a executar uma espécie de coreografia altamente sincronizada.

Supermassive black hole e Starlight foram alguns dos momentos mais vibrantes, numa noite onde fica difícil escolher o momento mais alto. A experiência deste concerto incluiu várias projeções numas telas transparentes que acompanhavam a passadeira que os músicos percorriam para se aproximar do público. Houve balões XXL, confetis e lugar ainda para o aparecimento de outro drone, desta vez um avião. Aconteceu uma Madness saudável, com uma entrega total da banda para com o público e vice-versa. O concerto pautou-se por um lado quase litúrgico, em que temas como Uprising assumiram uma espécie de hino de devoção, para todos os Knights of cydonia presentes.

Muse_MEO_ARENA_2_Maio_2

Os Muse são mestres na fusão entre o tecnológico e o humano; são ainda capazes de nos surpreender, concerto após concerto. Pela forma como inovam a nível de encenação e pela experiência visual para o público. E no dia 2 de Maio cumpriram e superaram as expectativas de uma sala cheia e há muito esgotada.

Our hopes and expectations? Que os Muse continuem a fazer boa música – e a visitar Portugal para nos deixar de boca aberta e de barriga cheia. Sem problemas de consciência: esta MoUSsE é daquelas que engorda somente a alma.

Fotos de Alexandre Antunes cedidas pela promotora Everything Is New

Joana Rita  

Joana Rita é filósofa, criadora de conteúdos, formadora e investigadora. Ah! E uma besta muito sensível.


Ainda não és nosso fã no Facebook?


Mais sobre: De Staat, Muse

  • Partilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *